Mostre-me tua estante e te direi quem és!

Gestão de Projetos

abr 10

Como evitar uma possível exposição do seu eu doméstico e privado em tempos de videoconferência?

Nestes tempos sombrios que nos impulsionou do mundo físico (presencial) para o mundo virtual, uma repentina janela do nosso “eu” doméstico e privado pode ser aberta.

Ao nos encontrarmos no reino virtual e amenizar esta imposição ao isolamento físico, utilizamos, às vezes por horas a fio, a videoconferência como forma de comunicação e, inesperadamente, podemos expor o ambiente “íntimo” de nossos lares e rotinas diárias.

Esta exposição visual pode ser voluntária, muitas vezes até encenada, e uma não familiarização com o posicionamento da câmera do computador ou do celular, pode mostrar um design de interiores que não deveria aparecer e, subitamente, aquela “fronteira” tão dificilmente conquistada entre a vida doméstica e a vida profissional, pode ir por água abaixo.

Nunca tantos tetos e chãos foram transmitidos globalmente em tempo real. Uma variedade de estantes, repleta de livros e objetos pessoais, decorativos ou não, são expostos. Layouts de cozinhas, decorações de paredes, camas, animais domésticos e crianças correndo parecem agora, serem comuns nas videoconferências de reuniões de trabalho.

Sentimo-nos como se estivéssemos olhando pelo “buraco da fechadura” ou no papel de James Stewart, como o fotógrafo Jeff, que estava confinado em casa há seis meses no filme “A Janela Indiscreta” de Alfred Hitchcock.

Mas certamente, utilizando algumas estratégias, pode-se evitar ou minimizar esta exposição:

A importância da estabilidade da imagem

Em reuniões de trabalho opte pela câmera do computador, mas caso não seja possível, utilize a câmera do celular posicionando-o na horizontal com um suporte fixo e estável.

Ambientes pequenos e apertados

Uma simples alteração do layout pode criar uma impressão de espaço, movendo a mesa para um lado da sala que tenha uma melhor e segura visualização do fundo, mas observe sempre a incidência da luz que vem da janela.

Exposição de aparelhos eletrônicos

Cuidado pois inconscientemente parece existir uma relação inversa entre status social e tamanho da televisão. Não que isso seja importante, mas quase que com certeza isso pode influenciar na comunicação. Procure sempre evitar “símbolos de status” eletrônicos que possam causar falsas impressões.

 Estantes de livros como “pano de fundo”

Essa estratégia visual é a mais usada e algumas parecem ter sido arduamente montadas, pois em tempos de livros virtuais, estantes com livros em papel praticamente desapareceram dos lares modernos. Uma bela e moderna estante de livros ao fundo parece impressionar qualquer observador e até deixar uma impressão de intelectualidade.

Montar cenários

Adereços ou objetos visíveis adquiridos em viagens podem ajudar e deixar uma boa impressão. Alguns livros poderão ser arrumados de acordo com a ocasião e neste momento de pandemia, livros como a “Lógica do Cisne Negro” de Nassim Taleb podem aparecer em destaque, além de outros que tratem do tema da incerteza e do caos dos tempos atuais.

Cuidados com a sua coerência pessoal

Se a percepção das pessoas da sua equipe de trabalho sobre seu hábito de leitura pode ser importante. De nada vai adianta se posicionar na frente da estante de livros dos seus pais ou de um irmão que é fanático por livros em papel. Parecerá uma montagem, como daquelas estantes cheias de enciclopédias falsas onde apareciam só as capas.

Mais alguns cuidados

Toda estratégia tem riscos, então procure prevenir o surgimento repentino de crianças gritando e incomodando a reunião, se isto for impossível, saiba que existe a possibilidade de minar aquela tão famosa perfeição doméstica.

 

Uma ótima regra para uma comunicação virtual (remota) deve ser sempre o “menos é sempre mais”. Quanto menor o número de informações visuais à ser captada pelo observador, maior será a atenção para aquilo que está sendo transmitido na reunião.

A humanidade nesses dias de pandemia está mobilizada para combater um inimigo comum. São tempos caóticos para uns e sombrios para outros e, para algumas pessoas, pode ser fundamental e estratégico manter alguns dos pilares da vida tecnológica atual, que é a possibilidade de “manter as aparências”. Para nosso próprio bem futuro, precisamos ser coerentes com a vida que tínhamos no presencial.